• Dra. Kellen Ribeiro Silva

Epilepsia, na vida e na escola

O diagnóstico leva em conta além das crises epilépticas, os antecedentes pessoais


O que é Epilepsia?


O diagnóstico leva em conta além das crises epilépticas, os antecedentes pessoais (historia da gestação e parto, o desenvolvimento nos primeiros meses de vida, doenças anteriores e atuais), dados do exame físico e neurológico assim como o resultado dos exames em especial o EEG (eletroencefalograma). Precisamos no mínimo 2 crises ( NÃO PROVOCADAS) para depois pensar em diagnóstico de epilepsia.


É uma das doenças mais antigas da humanidade e uma das mais freqüentes na população, perde apenas para dor de cabeça.


Atinge toda a população de forma igual – independente da origem étnica (“raça”) ou social.


Caracteriza-se por crises epiléptica (convulsão) – de ocorrência súbita, desencadeada por uma excitabilidade anormal de um grupo de neurônios – a está região chamamos de “foco epiléptico”. Dependendo do local onde ocorre o foco ( a região do cérebro) teremos um tipo de crise diferente – movimentos desordenados , mastigação, perda de consciência entre outros sintomas, ou seja nem sempre teremos alterações motoras


As crises motoras são as mais facilmente reconhecidas e descritas pelos pacientes.



Disritmia é a mesma coisa que Epilepsia?


NÃO - Antigamente os paciente usavam muito a palavra disritmia para se referir a crises e convulsões – contudo isto não é aceito pela classe médica e científica.





Esse BLOG foi criado com fins didático e educativo. Em nenhum momento deve ser utilizado para diagnóstico ou tratamento de doenças neurológicas da infância. Sempre que houver dúvidas consulte seu médico. As indicações, reações adversas e as relações de dosagem para as drogas citadas aqui podem sofrer alterações, uma vez que a medicina encontra-se em constante evolução. As informações e imagens contidas no site não poderão ser utilizadas parcialmente ou em sua totalidade sem autorização dos responsáveis.

11 visualizações0 comentário