• Dra. Kellen Ribeiro Silva

Inteligência e os distúrbios de aprendizagem

O assunto é controverso e existem várias teorias. Na literatura não há concenso e a definição depende muito da linha do autor.


É comum na prática clínica, receber em consultório, os pais enviados a pedido da escola para avaliação - ora por terem dificuldade em lidar com o comportamento, ora por apresentarem  dificuldade na aprendizagem. Não é fácil fazer este diagnóstico - principalmente se não há toda uma equipe de apoio - com pedagogos, fonoaudiólogos e psicólogos para auxiliar na  diferenciação das dificuldades de aprendizagem (com inteligência "normal") e deficiência mental.


Inteligência pode ser definida como a capacidade mental de raciocinar, planejar, resolver problemas abstrair ideias, compreender ideias e linguagens e aprender.



Como se mede a inteligência?


Para saber se alguém é inteligente basta apenas a realização de teste psicométricos tais como Raven, WISC 3, WAIS  e medir seu QI (coeficiente de inteligência)?


O assunto é controverso e existem várias teorias. Na literatura não há consenso e a definição depende muito da linha do autor.


São muitas as alternativas já proposta para  a avaliação do QI. Mas o que é realmente interessante é nos situarmos além da inteligência concebida classicamente e em sua evolução (Anderson, 1999).

Não existe uma inteligência - mas várias, ela não é estática, mas modificável e fluída, depende da interação constante da pessoa com o meio, não sendo apenas algo puramente cognitivo, mas também emocional, social e cultural.


Se definir inteligência já é difícil - como fica então definir a falta de inteligência?

Este é um dos maiores desafios dos médicos, em especial dos que trabalham em centros de reabilitação ou com crianças na idade escolar.


Partindo do pressuposto que não existe uma única inteligência e a sua medida (QI) é enganosa e inválida para o diagnóstico e o conceito de dificuldades/distúrbios de aprendizagem, sendo portanto o mais importante a avaliação  de aptidão-rendimento e das dificuldades específicas apresentadas pelo indivíduo (criança) por uma equipe multiprofissional com apoio escolar. 




REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA


- Dificuldades de aprendizagem e intervenção psicopedagógica - Jesús-Nicasio García Sánches, ed. artmed, 2004.




Esse BLOG foi criado com fins didático e educativo. Em nenhum momento deve ser utilizado para diagnóstico ou tratamento de doenças neurológicas da infância. Sempre que houver dúvidas consulte seu médico. As indicações, reações adversas e as relações de dosagem para as drogas citadas aqui podem sofrer alterações, uma vez que a medicina encontra-se em constante evolução. As informações e imagens contidas no site não poderão ser utilizadas parcialmente ou em sua totalidade sem autorização dos responsáveis.

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo