• Dra. Kellen Ribeiro Silva

TDAH - Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade

Atualizado: 12 de mai. de 2020

Apesar de extensas pesquisas e trabalhos científicos, no mundo inteiro, a respeito do TDAH ainda há ceticismo



Apesar de extensas pesquisas e trabalhos científicos, no mundo inteiro, a respeito do TDAH, ainda se houve muitas pessoas falando que:


  • TDAH não existe

  • É o nome bonitinho que deram para falta de educação

  • Isto não é nada mais que uma falha na criação dos filhos

  • O mundo está virado e os pais não tem controle

  • Isto é falta de uma surra

  • Estas crianças são delinqüentes

  • Isto é por que come muito açúcar, café

É muito fácil delegar a culpa aos pais, sociedade, família.

Mas o que podemos fazer para ajudar?

Como trabalhar com estas crianças e adolescentes?

Qual o meu papel como educador, pai, médico, professor, ser humano?


Pretendo esclarecer alguns pontos neste informe com objetivo de auxiliar pais e educadores no processo de inclusão destas crianças maravilhosas mas que são "levadas e desastradas".



Como diagnosticar a TDAH


Sim, ele existe e é freqüente ( em torno de 5% da população)

Independe do país de origem, raça, nível socio-econômico, religião, dieta ou mesmo da família.


É exatamente o fato de existir em diferentes países e independente do fator socio-econômico (nos chamados estudos epidemiológicos) que conseguimos comprovar a existência do TDAH;


Sendo assim ele não é secundário a fatores ambientais como alimentação, estilo de educação dos pais ou consequência de conflitos psicológicos


É um transtorno que afeta o nível de atividade e atenção de crianças, jovens e adultos. Sendo considerado um problema médico e que necessita de tratamento - muitas vezes medicamentoso.


Estas crianças e jovens parecem estar sempre 'ligados',se movimentam e falam em excesso, distraem-se com muita facilidade, dão a impressão que não ouvem, esquecem de fazer ou mesmo terminar a atividade solicitada, tem dificuldade em se organizar. Perdem seus objetos, chaves, hora. Frustram-se com facilidade, alternam humor, agem impulsivamente.


Na escola essas crianças apresentam, frequentemente, dificuldades no aprendizado, assim como no relacionamento com seus colegas, levando tanto a repetências quanto a evasão escolar e a expulsões.


No meio científico não existem dúvidas sobre a gravidade e amplitude das consequências do TDAH na vida dos portadores, família e da sociedade.


Por isto é muito importante identificar possíveis portadores, encaminhar para o diagnóstico e tratamento ( se for o caso) e trabalhar com as dificuldades individuais de cada Criança, jovem ou adulto.




Como diagnosticar a TDAH?


O diagnóstico é clínico - até hoje não existe nenhum exame ou teste que possa sozinho dar seu diagnóstico.

Para se fazer o diagnóstico é necessário várias avaliações com abordagem multidisciplinar, ou seja, a família, o professor, os terapeutas ( fonoaudiólogos, psicólogos, pedagogos) SÃO de extrema importância para que o médico consiga estabelecer este diagnóstico e mesmo medicar e acompanhar o tratamento


Existem escalas que ajudam na avaliação da presença e gravidade dos sintomas - podem ser preenchidas pelos pais e professores e irão auxiliar o médico a estabelecer o diagnóstico ( os critérios estão nos manuais de classificação - CID 10 e DSM IV).


Lembrar que:


  • O diagnóstico é o inicio do tratamento

  • Os manuais não podem ser utilizados para estigmatizar as pessoas - mas ajudar no diagnóstico


CID 10 - classificação internacional das doenças - 10ª edição

DSM IV - manual de diagnóstico e estatística da Associação Psiquiátrica Americana - 4ª edição





Qual o papel da família?


É importante esclarecer desde o começo que a atitude dos pais/familia em relação aos filhos não é a causadora do TDAH, sendo assim não há por que se sentirem culpados.


Contudo estas atitudes podem CONTRIBUIR para acentuar os comportamentos inadequados.


É importante aceitar o TDAH como um problema real que merece cuidados especiais/tratamento e não como resultado de teimosia ou apenas falta de limites.


Em outro texto irei dar mais informações para os pais.



Qual o papel da escola e professores no processo diagnóstico?


Os professores têm uma condição privilegiada de observação do comportamento das crianças em uma variedade de situações:


  • Atividade individual,

  • Atividade em grupo,

  • Interação com outros adultos e crianças,

  • Atividades de lazer


A experiência do professor com inúmeras crianças, possibilita a distinção entre os comportamentos esperados para a faixa etária e os atípicos, além do tempo de interação .

Por isto e muito mais que os professores e toda a equipe técnica da escola é essencial para o processo diagnóstico.


Não se esqueça, não é só o preenchimento de escalas e descrever o comportamento que está envolvido neste diagnóstico - mas também todo o processo de aprendizagem e desenvolvimento - portanto além da descrição do comportamento e interação social é fundamental observar seu desempenho acadêmico.



Qual o papel da escola e professores no processo terapêutico?


Na medida que o TDAH afeta também a capacidade para a aprendizagem, a escola precisa assumir o importante papel de organizar os processos de ensino de forma a favorecer o máximo a aprendizagem.


O mais importante é conhecer o TDAH e reconhecer que essas crianças necessitam de ajuda.


Não existe uma única técnica ou abordagem pedagógica que possa melhora a atenção e o desempenho da pessoa com TDAH - é uma combinação individual:


  • Professor e Aluno

  • Escola e Familia.


Ressalto aqui que inteligência (neste caso significando capacidade de aprender) não é o principal fator determinante do rendimento/desempenho das pessoas com TDAH ou seja 'baixa' inteligência = baixo rendimento e 'alta' inteligência = alto rendimento/desempenho - NÃO é uma verdade.


Pessoas extremamente inteligentes e com alta capacidade cognitiva podem ter desempenho muito inferior ao esperado pelo nível devido única e exclusivamente a sua capacidade de controlar seus impulsos, agitação e déficit de atenção.


Falo isto porque é comum ouvir pessoas se referirem a dificuldade de aprendizagem dos TDAH como sendo algo implícito a sua capacidade intelectual.


No próximo artigo irei descrever algumas dicas de como contornar situações ajudar a criança em sala de aula.





ATENÇÃO: Este material é uma adaptação


BIBLIOGRAFIA:


  1. Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) - uma conversa com os educadores Realização Projeto Inclusão sustentável (PROIS), UPIA -Coordenação - Profª Drª Maria Conceição do Rosário.

  2. NO MUNDO DA LUA - Paulo Mattos


Esse BLOG foi criado com fins didático e educativo. Em nenhum momento deve ser utilizado para diagnóstico ou tratamento de doenças neurológicas da infância. Sempre que houver dúvidas consulte seu médico. As indicações, reações adversas e as relações de dosagem para as drogas citadas aqui podem sofrer alterações, uma vez que a medicina encontra-se em constante evolução. As informações e imagens contidas no site não poderão ser utilizadas parcialmente ou em sua totalidade sem autorização dos responsáveis.


48 visualizações0 comentário